sábado, 18 de agosto de 2012

Crítica: Um Divã para Dois


Um Divã para Dois (Hope Springs, 2012) conta a história de Kay (Meryl Streep) e Arnold (Tommy Lee Jones) que estão casados há 31 anos, porém nos últimos anos a relação esfriou consideravelmente. Em busca de voltar a ter uma relação de verdade com o homem que ainda ama, Kay decide inscrever os dois numa terapia de casal com o Dr. Bernie Feld (Steve Carell). Esta é a sinopse da comédia/drama Um Divã para Dois do mesmo diretor de O Diabo Veste Prada, David Frankel.
O maior destaque do filme são as atuações dos protagonistas Meryl Streep e Tommy Lee Jones. Ambos impecáveis tanto nas partes engraçadas quanto nas dramáticas (que aliás o filme sabe mesclar muito bem) são possíveis apostas no próximo Oscar. Meryl mais ainda, já que dos últimos 9 Oscars, ela foi indicada a 5 (inclusive vencendo um). Steve Carell também nos dá uma atuação sólida. O roteiro é bem estruturado e estabelece otimamente o casal e seus problemas, deixando o filme ainda mais "bonito" para quem consegue se identificar com os protagonistas. Vale destacar ainda as belas músicas (nenhuma original) utilizadas durante todas as cenas sem falas, incluindo "Why" de Annie Lennox cuja letra é facilmente ligada a história do filme.
No final, Um Divã para Dois é um ótimo filme com ótimas atuações mais uma boa história. De certa forma (incluindo pela época de lançamento) é o Histórias Cruzadas deste ano. E também um possível indicado ao próximo Oscar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário