domingo, 17 de fevereiro de 2013

Crítica: Flashdance


Flashdance (1983) foi um dos grandes sucessos dos anos 80. Ajustado pela inflação, ele teria feito uma bilheteria de mais de US$237 milhões só na América do Norte. O filme, tecnicamente, não é um musical já que os personagens não são os interpretes das músicas. Entretanto, assim como Embalos de Sábado a Noite e Footloose, as músicas (geralmente acompanhadas por cenas de dança)  são parte importante e constante do filme.
Flashdance conta a história de Alexandra Owens (Jennifer Beals) que trabalha como soldadora numa mina de metal de dia e como dançarina num bar de noite. Entretanto o que ela realmente quer é entrar na academia de dança. No meio da história, claro, Alex e seu chefe na mina, Nick Hurley (Michael Nouri), se apaixonam.
Flashdance tem como principal problema o roteiro. Há uma grande falta de acontecimentos marcantes no filme, e é de se pensar que, de repente, o filme poderia ter uma meia hora reduzida. Outro problema são as cenas musicais. Enquanto a trilha sonora é maravilhosa e conta com músicas como "Flashdance... What a Feeling" (interpretada brilhantemente por Irene Cara, que, inclusive, ganhou o Oscar), "Maniac" (que também foi indicada ao Oscar), "Lady,Lady,Lady" e  "Manhunt", entre muitas outras, algumas cenas musicais parecem mais videoclipes que não influenciam em nada para a trama. Ás vezes, há apenas uma determinada personagem (que nem volta a aparecer no filme e mal tem uma fala) dançando ao som de uma música inteira. Obviamente, algumas cenas melhores- e mais criativas- poderiam ter sido criadas para algumas músicas.
Jennifer Beals está muito boa como a protagonista Alex e entrega uma personagem bastante carismática. Os atores coadjuvantes também estão bem decentes.
Apesar de um roteiro escasso de situações importantes, Flashdance consegue divertir e emocionar com a história de sua protagonista. E, aliado a excelente trilha sonora (que vendeu milhões de cópias pelo mundo), o filme acaba sendo bom, ainda que esteja longe de títulos similares como Footloose.

Nenhum comentário:

Postar um comentário