terça-feira, 26 de março de 2013

As 10 Maiores Bilheterias de Filmes Originais de 2012




Apesar do ranking das 10 maiores bilheterias mundiais de 2012 apresentar apenas um filme original (Jogos Vorazes) esse foi um ano muito bom para eles. Quatro filmes originais conseguiram ultrapassar os US$500 milhões enquanto que em 2011 foi apenas um (Os Smurfs), em 2010 foram três (A Origem, Enrolados e Meu Malvado Favorito) e em 2009 foram quatro também (Avatar, 2012, Up e Sherlock Holmes-que se classifica pois apesar de já terem havido filmes para o cinema do personagem este aqui não tem nenhum tipo de relação com eles, apenas compartilha a mesma fonte de base). Vamos explicar o que classifica um filme em original usando exemplos de filme recentes: para um filme ser original ele não pode ser nem uma sequência (ex: Os Vingadores e O Cavaleiro das Trevas Ressurge), nem um prelúdio (ex: O Hobbit e Prometheus), nem um spin-off (ex: Gato de Botas), nem um reboot (ex: O Espetacular Homem-Aranha) e nem um relançamento (ex: Titanic 3D).
Sobre o top 10 abaixo, vale notar que 5 deles terão continuações (ou seja, obtiveram êxitos em trazer novas franquias para o mercado- são eles, aliás, Jogos Vorazes, Ted, Detona Ralph, Branca de Neve e Hotel Transilvânia) e 4 filmes são animações. A média de bilheteria por filme é de ótimos US$476 milhões . Então,vamos as 10 maiores bilheterias originais de 2012:

1- Jogos Vorazes (US$691,200,000)
2-As Aventuras de Pi (US$604,400,000)
3-Ted (US$547,400,000)
4-Valente (US$535,400,000)
5-Detona Ralph (US$445,800,000)
6-Os Miseráveis (US$433,000,000)
7-Django Livre (US$413,000,000)
8-Branca de Neve e O Caçador (US$397,000,000)
9-O Lorax: Em Busca das Trúfulas Perdidas (US$348,800,000)
10-Hotel Transilvânia (US$346,000,000)

Os Croods tem ótima estreia; Invasão a Casa Branca surpreende

Na América do Norte: Os Croods, o 24° filme de animação da DreamWorks, fez uma ótima estreia na América do Norte. Em seus primeiro final de semana o filme fez US$44 milhões, o que é dentro do esperado. Isso esta em par com os últimos filmes originais do estúdio que foram lançados na sexta: Megamente (US$46 mi) e Como Treinar o Seu Dragão (US$44 mi). Os Croods não terá nem a bilheteria final de Mega (US$148 mi) nem de Dragão (US$217 mi). Na verdade, ele deve fazer entre US$155 e 180 milhões. Em segundo lugar, outra estreia: Invasão a Casa Branca filme protagonizado por Gerard Butler e Morgan Freeman, sobre (óbvio) uma invasão a Casa Branca. Era esperado que o filme fizesse um estreia entre US$18 e 22 milhões, entretanto ele foi muito mais além e fez US$30 milhões, a melhor estreia de um filme de ação de 2012. Sua bilheteria final pode chegar a até mais que US$75 milhões, mas isso depende de o quanto o filme será afetado pela estreia de G.I. Joe: Retalição esta quinta. Em 3°, o campeão das duas semanas anteriores, Oz - Mágico e Poderoso fez mais US$22 milhões para um ótimo total de US$177 milhões até o momento. Em 4° Chamada de Emergência fez mais US$9 milhões para um total de US$31 mi. Na quinta posição, outra estreia: Adimission, comédia de Tina Fey e Paul Rudd fez míseros US$6 milhões e terá sorte se consguir triplicar essa quantia até o final de sua corrida. E em sexto, Spring Breakers fez US$5 milhões. O filme já havia estreado mas apenas nessa semana fez uma expansão nacional.

No Resto do Mundo: Os Croods também ficou em primeiro com US$63 milhões (o que era óbvio- filmes da DreamWorks Animation sempre fazem sucesso fora da América do Norte e este ainda teve a ótima campanha de marketing da Fox - que distribuirá todos os filmes do estúdio deste ano até final de 2018) e um total mundial de US$108 mi . Em segundo, Oz - Mágico e Poderoso fez mais US$22 milhões e elevou seu total mundial para US$356 mi. O meio milhão ainda está em jogo, já que Oz tem uma estreia na China pela frente. E em terceiro Jack - O Caçador de Gigantes (que estreia sexta no Brasil) fez mais US$19 milhões para um total mundial de US$120 mi. Vai ser difícil o filme fazer uma bilheteria final muito maior que US$300 milhões

sábado, 23 de março de 2013

Crítica: Hitchcock


Hitchcock sempre me pareceu ser um bom filme. Deste os trailers até os posters, do elenco principal aos secundários, tudo parecia apontar para um bom filme. Mas me surpreendi quando ele não apenas alcançou minhas expectativas mas ultrapassou-las - e se mostrou um filme excelente.
O filme adapta o livro "Alfred Hitchcock e os Bastidores de Psicose", e, como o título sugere, conta a história por trás da criação de um dos melhores filmes da história e o mais conhecido do mestre do suspense. Mais que isso, o filme tem um enorme foco na esposa de Alfred (interpretado por Anthony Hopkins), Alma Meville (Helen Mirren). Alma sempre ajudou o marido com seus filmes, sendo responsável por muitos roteiros e edições. Entretanto, ela preferia não ser creditada oficialmente.

Hitchcock então, não se resume só a mostrar como foram feitas algumas das mais marcantes de Psicose e como se chegou ao projeto e ao elenco. Mais que isso, ele mostra como era a vida de Hitch e Alma durante esse período: das brigas ao amor. E é aí que o filme ganha muitos pontos, afinal, pouca gente sabe como era o relacionamento dos dois. Anthony Hopkins entrega uma atuação espetacular que aliada a maquiagem, o deixa o verdadeiro mestre do suspense. Helen Mirren também está maravilhosa como Alma e fica a pergunta de porque este filme não foi lembrado no último Oscar nem nas categorias de atuação (foi lembrado só na de Melhor Maquiagem). O elenco secundário também está ótimo, por sinal.
Além de entreter com humor e drama, o filme também informa bastante ao público. Como, por exemplo, que quando Hitchcock procurava por seu próximo foi lhe oferecido adaptar Casino Royale ao cinema ou fazer uma adaptação de O Diário de Anne Frank. Ou que a edição inicial de Psicose não foi muito bem recebida, mas a final, feita com a ajuda de Alma (que também escreveu boa parte do roteiro) sim, causou uma ótima impressão no público. Ou como a cena do chuveiro era considerada violenta e assustadora para a época. Ou ainda ver cenas que provavelmente foram feitas mas que não necessariamente sejam a realidade como quando Hitchcock fica do lado de fora da sala de cinema na estreia de Psicose se divertindo ao som dos gritos das pessoas na cena do chuveiro.
Hitchcock é um filme esperto e divertido, que informa e nos entretém de maneira formidável. Após a última cena, é impossível não pensar em como o mesmo time envolvido por trás deste filme nos apresentaria os bastidores do filme seguinte a Psicose do diretor: Os Pássaros.

terça-feira, 19 de março de 2013

Oz novamente em 1° nas Bilheterias Mundiais

Na América do Norte: Oz - Mágico e Poderoso continuou sua muito boa corrida nas bilheterias. Ficando novamente em primeiro lugar nesse último final de semana com US$41 milhões, o filme já tem US$144 milhões. Parece que não há dúvidas que a bilheteria final do filme será de pelo menos US$210 mi. Em segundo, uma das duas estreias da semana: Chamada de Emergência , um thriller protagonizado por Halle Berry e Abigail Breslin. Sua estreia foi bem melhor do que os US$12 milhões que era esperado, fazendo US$17 milhões em seu primeiro final de semana. Esta é a melhor estreia de um filme estrelado por Berry desde 2006, quando X-Men 3 fez US$102 milhões em seus três primeiros dias. Em terceiro, a comédia O Incrível Burt Wonderstone, estrelada por Steve Carrell e Jim Carey fez míseros US$10 milhões. Essa é uma das piores estreias tanto para um filme de Carey tanto quanto para um de Carrell e é notável que com os dois juntos a estreia deveria ter sido pelo menos o dobro. E em 4°, Jack - O Caçador de Gigantes se segurou bem (queda de 36%) e fez mais US$6 milhões. Entretanto, já é tarde demais para Jack que tem apenas US$54 milhões nos cofres e deve chegar a, no máximo, US$67 milhões.

No Resto do Mundo: Oz - Mágico e Poderoso fez mais US$47 milhões, o que lhe garantiu a primeira posição. Seu total mundial já está em US$282 milhões e o filme ainda tem chance de alcançar a marca de meio bilhão. Ainda que longe de Alice no País das Maravilhas, é uma boa quantia para um filme "original".A média das 5 maiores bilheterias de filmes originais ano passado (que foram Jogos Vorazes, As Aventuras de Pi, Ted, Valente e Detona Ralph), por exemplo, foi de US$561 milhões (em breve, aliás, um post sobre as maiores bilheterias de filmes originais do ano passado). Em 2°, Duro de Matar - Um Bom Dia para Morrer fez mais US$20 milhões e seu total mundial está em US$265 mi. Em terceiro, Jack - O Caçador de Gigantes fez US$11 milhões e seu total mundial está em US$90 milhões e parece que o filme terá uma ótima corrida nas bilheterias fora da América do Norte. E vale dizer que As Aventuras de Pi ultrapassou a marca mundial de US$600 milhões. Nos últimos três anos apenas quatro filmes originais (contando com Pi) conseguiram ultrapassar essa marca. Esta semana, com a estreia de Os Croods, as bilheterias devem ter um significativo impulso.

sábado, 16 de março de 2013

Crítica: Duro de Matar - Um Bom Dia para Morrer


Duro de Matar - Um Bom Dia para Morrer traz de volta as telonas o policial John McClane, passados 6 anos do último filme. Desta vez, John esta em viagem na Rússia para se encontrar com seu filho, mas acaba se achando no meio de uma trama terrorista.
Não há outra maneira de definir o filme a não ser essa: chato. Duro de Matar 5 joga fora tudo de bom que tinha a franquia e prefere optar por um péssimo roteiro (de Skip Woods) e uma direção medíocre (de John Moore). Fica a pergunta de por que a Fox escolheu essas pessoas para continuarem a franquia, tendo em vista os trabalhos recentes dessas pessoas que foram, respectivamente, o roteiro de X-Men Origens: Wolverine e a direção de Max Payne. Parece também que o filme decidiu copiar as piores e mais confusas cenas de ação de outros filmes. Além de que, tirando a cena final do helicóptero, quase nada consegue empolgar neste filme (e esta cena citada só empolga por causa de seus efeitos especiais). Bruce Willis retorna ao seu papel mas mesmo seu carisma de sempre fica longe de salvar o filme. Os coadjuvantes cumprem seu papel e só, porém com o material que lhes foi dado nem havia muito o que fazer.
Depois desse péssimo filme, muitos fãs da franquia querem que ela acabe aqui para evitar que venha um Duro de Matar 6 tão ruim como esse. Mas eu acho que um sexto filme bom deve ser feito para que possamos esquecer este péssimo Um Bom Dia para Morrer. Enquanto isso, fica o conselho: não assista a esse filme (eu, por exemplo, assisti no cinema e, ainda que seja muito bom ir no cinema com os amigos, preferia ter visto qualquer outro filme em cartaz ) ou, se você é tão fã da franquia assim assista - mas só depois que ele chegar na locadora e não for considerado mais lançamento. Assim você acaba economizando um dinheiro que não vale a pena ser gasto.

terça-feira, 12 de março de 2013

Oz faz uma Poderosa estreia mundial de US$150 milhões

Na América do Norte: Depois de duas semanas, volta o boletim semanal das bilheterias mundiais. E, finalmente, o primeiro grande blockbuster de 2013 aportou nos cinemas. Oz - Mágico e Poderoso fez sua estreia e faturou ótimos US$79 milhões. Esse é o terceiro melhor final de semana de estreia de Março (atrás de Jogos Vorazes e Alice no País das Maravilhas) e a melhor estreia de 2013 até agora. Ainda que este valor seja 32% menor que a estreia de Alice, Oz é mais uma vitória da Disney que entregou mais uma de suas arrasadoras campanhas de marketing. Ainda é cedo para afirmar com exatidão, mas se Oz se segurar tão bem quanto Alice nas bilheterias ele fará até US$232 milhões na América do Norte. Num distante segundo lugar o campeão da semana passada, Jack - O Caçador de Gigantes fez mais US$10 milhões. O filme teve uma queda forte (de 64%), cujo principal motivo foi a estreia de Oz, concorrente direto. Jack tem US$43 milhões nos cofres e deve terminar sua corrida com US$55 milhões. Em terceiro, a comédia Uma Ladra sem Limites fez mais US$6 milhões e continua a maior bilheteria do ano na América do Norte, com US$116 milhões (título que deve passar a Oz até domingo que vem). E em quarto, a única outra estreia da semana: o filme de vingança e ação Dead Man Down, estrelado por Colin Farrell e Noomi Rapace bombou com US$5 milhões, apenas.

No Resto do Mundo: Em primeiro lugar Oz - Mágico e Poderoso estreou em cerca de 80% do mercado mundial. E estreou muito  bem, diga-se, com US$70 milhões. Sua estreia mundial foi de US$150 milhões, menor do que os US$210 milhões de Alice no País das Maravilhas em 2010. Se Oz seguir os passos desse filme, seu total mundial será de mais de US$700 milhões. Em segundo lugar, João e Maria - Caçadores de Bruxas fez US$10 milhões e elevou seu total mundial a quase US$200 milhões. Em terceiro lugar, o péssimo filme (eu conferi e posse realmente dizer isso) Duro de Matar - Um Bom dia Para Morrer fez mais US$9 milhões e seu total fora da América do Norte esté em US$177 milhões. Com isso, parece impossível que o quinto Duro de Matar alcance os US$250 milhões que Duro de Matar 4.0 fez também fora da América do Norte. E  lá embaixo no ranking, Ted elevou seu total fora dos Estados Unidos e Canadá para US$327 milhões, ultrapassando a mesma quantia feita por Se Beber Não Case Parte II, e assim se tornando a maior bilheteria para um comédia classificada R (proibida para menores de 17 anos).

domingo, 10 de março de 2013

Crítica: Oz - Mágico e Poderoso


Oz - Mágico e Poderoso conta a história de Oscar Diggs (James Franco), um mágico charlatão que trabalha num parque no Kansas. Entretanto, após um o balão que Oz, como  Oscar é conhecido, é atingido por um tornado ele vai parar na Terra de Oz, um lugar mágico cheio de criaturas inacreditáveis. Chegando lá, muitos acham que Oz é o famoso Mágico da Profecia, que salvará a Terra da Bruxa Malvada e se tornará o novo rei. Mas ele terá que provar isso também as três bruxas: Glinda, Theodora e Evanora.
Oz acabou por ser um filme bem melhor do que eu esperava. Com uma ótima direção de Sam Raimi, O filme funciona não só como uma ótima fantasia mas também como uma homenagem ao filme de 1939 (já que este filme é o prelúdio de O Mágico de Oz). Estão lá o Kansas em Preto & Branco e Oz em cores extremamente vivas, os macacos voadores, Glinda, a Bruxa Boa e Teodora, a Bruxa Malvada do Oeste, e muitos outros elementos que nos relembram da mitologia criada pelo filme original. Oferecendo uma boa história, o filme ainda conta com uma boa atuação de Franco. Mas o destaque são as três Bruxas: Michelle Williams, Mila Kunis e Rachel Weisz estão  fascinantes como, respectivamente, a Bruxa Boa do Sul, a Bruxa Malvada do Oeste e a Bruxa Malvada do Leste. A última, aliás, é o verdadeiro destaque. Rachel é a grande vilã aqui: malvada, mentirosa, cruel e linda. E, o maior destaque, os efeitos especiais. Todos perfeitos e fazendo com que o filme encha os olhos. Ótimos figurinos e maquiagens dão o toque final. As cenas de ação também são excelentes e o 3D é recomendável.
Uma continuação já está nos planos da Disney. Ela poderá se passar, ou entre os vinte anos entre o que ocoreu em Mágico e Poderoso e O Mágico de Oz, ou depois do que aconteceu no filme de 1939, com as duas vilãs desde filme já mortas (Dorothy matou tanto a Bruxa Malvada do Oeste quanto a do Leste). Ainda que sofra em comparação ao original (já que, convenhamos, são poucos os filmes que conseguem ser de qualidade tão boa quanto o filme de 1939), Oz consegue divertir e entreter de uma ótima maneira. E, com esse resultado final, fica a torcida para que uma continuação de fato ocorra. Afinal os livros de Oz ainda tem muitos personagens e histórias fascinantes para serem levados a telona.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Grandes Franquias VI: Atividade Paranormal

A franquia Atividade Paranormal começou em 2009 quando o filme de terror no estilo "found footage" com um micro orçamento (US$15 mil) estreou em alguns poucos cinemas nos Estados Unidos. Imediatamente, a reação das pessoas foi de susto total com o filme. Isso gerou um ótimo boca-a-boca que...Bem, é melhor ver mais sobre o primeiro filme abaixo. Enfim, o sucesso estrondoso do filme fez com que Atividade Paranormal se tornasse a nova tradição de Halloween nos cinemas, tendo uma sequência lançada todo ano em Outubro. Com isso, este ano teremos o quinto filme da franquia. Veja sobre a franquia toda abaixo:

-Atividade Paranormal



Oren Peli foi o diretor e roteirista do filme que conta a história de um casal que tem sua casa assombrada por um demônio. O principal produtor foi Jason Blum (que também produziu outros sucessos do terror como Sobrenatural, A Entidade e todos os outros filmes de Atividade Paranormal) e orçamento foi de míseros US$15 mil. O filme foi gravado na casa do próprio Oren e, sendo um filme independente (sem um grande estúdio por trás - aliás, sem nenhum estúdio), foi exibido em alguns festivais em 2007. A Paramount, então, comprou os direitos pelo filme e por qualquer possível sequência na América  do Norte por US$350 mil. Inicialmente, a ideia do estúdio era fazer um remake do filme. Mas Oren e Blum acharam que o filme original deveria ter uma audição teste com o público, primeiro. A audição foi um sucesso e decidiu-se que não seria feito um remake para lançamento nacional: o filme original seria lançado apenas com algumas edições e um novo final. Sendo o ótimo e assustador filme que é, Atividade Paranormal  foi lançado em 2009 e fez uma bilheteria de US$107 milhões na América do Norte e mais US$85 milhões no resto do mundo, para um total mundial de US$192 milhões. Um filme de terror receber ótimas críticas e fazer uma bilheteria enorme como ocorreu com este filme foi (e ainda é) algo raro de se ver.

-Atividade Paranormal 2



E é obvio que o mega sucesso do primeiro filme geraria uma sequência. Atividade Paranormal 2 chegou aos cinemas um ano depois do original, em 2010. Os custos baixíssimos de produção (US$5 milhões) garantiram ao filme, que é um prelúdio do primeiro contando a história de Kristi (a irmã de Katie do filme anterior), mais um sucesso de bilheteria (US$177 milhões). Ainda que o suspense, a tensão e a originalidade (apesar de que o primeiro filme não foi totalmente original, apenas usou uma fórmula que estava adormecida desde A Bruxa de Blair) tenham decaído nesta sequência, os sustos aumentaram significativamente.

-Atividade Paranormal 3



Mais um halloween, mais uma sequência. E assim, em 2011, Atividade Paranormal 3 foi lançado. E, numa grata surpresa, se mostrou melhor que o filme anterior. Sequências como a da Loira do Banheiro e da câmera no ventilador se mostraram, além de inventivas, bem assustadoras. Os eventos narrados giram em torno da infância das irmãs Katie e Kristi que já eram assombradas por um demônio, e, portanto, se passam  18 anos antes dos eventos dos filmes anteriores. Mais um sucesso de bilheteria (US$207 milhões) para um baixo orçamento (US$5 milhões).

-Atividade Paranormal 4



A sequência mais decepcionante da franquia. Ainda que a parte final do filme seja ótimo e muito assustadora, Atividade Paranormal 4 não consegue empolgar nem um pouco quanto os filmes anteriores. O público também não fez muita questão de conferir este filme no cinema, e como resultado, fez US$140 milhões nas bilheterias em 2012. Apesar disto ainda foi um sucesso (já que teve um orçamento de apenas US$5 milhões) e garantiu a data de lançamento de Atividade Paranormal 5 para este ano e aumentou as chances de um spin-off (intitulado As Fitas de Onxford) focado no púlblico latino ser lançado este ano ou ano que vem.

segunda-feira, 4 de março de 2013

O Hobbit: Uma Jornada Inesperada ultrapassa o Bilhão



O Hobbit acaba de adentrar o clube do bilhão. O primeiro filme da trilogia prelúdio de O Senhor dos Anéis, O Hobbit: Uma Jornada Inesperada conseguiu o feito tão admirado neste domingo. Quando começou 2012, dois filmes eram julgados certos de ultrapassarem o bilhão: Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge e Jornada Inesperada.  Isso porque ambos seus filmes antecessores haviam conseguido tal feito. E no caso de Hobbit, O Retorno do Rei havia ultrapassado a quantia de US$1,1 bilhão há nove anos. Ou seja, com nove anos de inflação mais preços elevados do 3D, era esperado que O Hobbit conseguisse pelo menos a quantia bilionária. O filme de Peter Jackson não teve uma estreia tão monstruosa quanto alguns esperavam, mas se segurou bem nas bilheterias. Na América do Norte o filme fez US$301 milhões até o momento, enquanto no resto do mundo esta quantia chega a US$700 milhões. O filme deve fazer mais US$15 milhões antes de encerrar sua corrida nas bilheterias.Vale dizer que Uma Jornada Inesperada é o 4° filme de 2012  a ultrapassar o bilhão (após Os Vingadores, O Cavaleiro das Trevas Ressurge, Skyfall e O Hobbit -todos filmes excelentes, registre-se) -o que é um recorde- e o 15° da história.

Análise: O péssimo ano da Paramount

Quem ganhou a guerra dos estúdios nas bilheterias norte-americanas ano passado foi a Sony, que teve seu melhor ano na história (aliás, 2012 foi um ano recorde nas bilheterias - o melhor da história). Em seguida ficaram Warner Bros., Disney, Universal, Lionsgate, 20th Century Fox e Paramount. Esta última teve, aliás um péssimo ano.
A Paramount fez em 2012 uma bilheteria anual de US$914 milhões, 53% menor que 2011, 47% menor que 2010 e o pior ano desde 2005. Em 2012 seu maior sucesso por lá foi Madagascar 3 (US$216 milhões), seguido de O Voo (US$92 mi) e A Origem dos Guardiões (US$91 mi). Os motivos desde péssimo ano são vários: o primeiro foi que os direitos sobre os filmes da Marvel são agora da Disney. Em 2011, US$357 milhões da Paramount foram de filmes Marveianos. Depois por causa da falta de grandes lançamentos (esse o principal motivo). Em 2013 as coisas devem ser ainda piores já que os filmes da Dreamworks Animation agora são distribuídos pela Fox. Os filmes da Dreamworks foram responsáveis por 34% da bilheteria da Paramount ano passado.
Para este ano a sequência de G.I. Joe deve fazer uns US$130 milhões, Star Trek - Além da Escuridão vem da bilheteria de quase US$257 milhões do filme anterior e aclamação por crítica e público e deve fazer pelo menos US$220 mi, e Guerra Mundial Z também tem cara de blockbuster. Mesmo assim o ano deve ser pior que 2012. Veremos...