sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Crítica: Jogos Vorazes


Jogos Vorazes (The Hunger Games, 2012)  é provavelmente o melhor filme adaptado de um livro atual para jovens adultos. Infinitamente melhor que qualquer filme da Saga Crepúsculo e de maior qualidade do que qualquer Harry Potter, Jogos é um dos melhores filmes do ano passado. Baseado no livro de mesmo nome, aliás, fica aqui uma recomendação: se puder leia os três livros que compõem a trilogia literária de Suzanne Collins - mais ainda, se puder leia as versões originais, em inglês, que, devo dizer, eu li e a tradução brasileira pelo que dei uma olhada não foi de qualidade tão boa.
Mas, deixando o livro de lado, vamos ao filme. Jogos Vorazes é o nome de uma competição (uma espécie de reality show) em que 24 jovens de 12 a 18 anos lutam até a morte numa arena em que vence o último sobrevivente. Esse jovens pertencem a 12 distritos que se revoltaram com a dominação e guerrearam contra o Capitólio, o Estado vencedor da guerra. Agora, o Panem, presidido pelo temível presidente Snow, obriga esse jovens a batalharem até a morte de modo a mostrar para os distritos o porque eles não devem tentar se rebelar de novo. A protagonista do filme é Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence), uma jovem do distrito 12 que se oferece como Tributo aos 74° Jogos no lugar de sua pequena irmã Prim. O garoto de seu distrito escolhido para a disputa foi Peeta Melark (Josh Hutcherson) e agora os dois farão o possível para conseguirem sair da arena, mesmo havendo apenas um vencedor.
O filme é bastante fiel ao livro. Basicamente, todos os principais fatos que acontecem no livro estão presentes com fidelidade no filme. Outro destaque são as atuações, a maioria excelentes, de Josh, de Woody Harrelson (que interpreta o treinador de Katniss e Peeta, ) e, principalmente, Jennifer Lawrence. Sinceramente, seria muito díficil que outra atriz encarnasse tão bem a protagonista do livro. Jennifer é a Katniss. A direção de Gary Ross é fantástica, conseguindo mostrar a violência entre jovens ao mesmo tempo que a evita, com bons movimentos de câmera. Jogos Vorazes, não incentiva a viloência, mas sim faz o oposto, mostrando ela como algo terrível que só é um símbolo de como o Capitólio do Panem é extremamente cruel e opressor. Dessa forma, o filme propõem excelentes discussões sobre violência, opressão e política, fáceis de serem captadas. E ao mesmo tempo entretem o público com ótimas cenas de ação e drama.
Jogos Vorazes é emocionante em todos os aspectos. É um filme inteligente, fiel ao livro em que foi baseado, com excelentes atuações e direção e que faz com que o espectador fique tenso esperando ver o que acontecerá a seguir. E, se mantiver a fidelidade do livro, sua sequência Em Chamas tem tudo para ser ainda melhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário