segunda-feira, 31 de março de 2014

Noé e Capitão América tem ótimas estreias; Divergente continua forte; Frozen se torna a animação de maior bilheteria da História!

Na América do Norte: Noé estreou em primeiro lugar, com ótimos US$44 milhões. O filme é o segundo religioso a ter uma estreia  maior que US$25 milhões este ano (o primeiro sendo O Filho de Deus) e traz boas notícias para o próximo épico biblíco do ano: Êxodo: Deuses e Reis, de Ridley Scott, com lançamento previsto para Dezembro. Se Noé, que é dirigido por Darren Aronofsky se segurar bem, uma bilheteria de mais de US$130 milhões é bem possível (vale lembrar que a Páscoa certamente ajudará o filme).
Em 2° lugar, Divergente teve uma queda bem menor do que o esperado (53%), provavelmente devido a recepção boa que o filme tem tido do público, e fez mais US$26 milhões. Para se ter uma noção, a queda de Jogos Vorazes e Crepúsculo foi, ambas, de 62%.
Em 3°, Muppets: Procurados e Amados fez mais US$11 milhões, para um total de US$33 milhões. O 8° filme dos fantoches tem que fazer a maior quantia possível antes da estreia de Rio 2 desabar com a sua bilheteria.
E em 7°, Sabotagem, o mais novo de Arnold Schwarzenegger teve a pior estreia do ator em 29 anos (!) e fez apenas US$5 milhões.

No Resto do Mundo: Capitão América: O Soldado Invernal fez US$75 milhões em sua estreia em 32 mercados. Obviamente, o filme terá uma bilheteria internacional maior que a de Capitão América: O Primeiro Vingador, que fez apenas US$195 milhões fora da América do Norte. O mais novo filme da Marvel estreia no Brasil em 10 de Abril. Em 2° lugar, Noé fez mais US$32 milhões, o que inclui uma gigantesca estreia na Rússia, de US$17 milhões, a quarta maior na história. Rio 2 estreou com US$7 milhões no Brasil, a maior estreia no país para um filme de animação. E Frozen- Uma Aventura Congelante fez mais US$7,5 milhões no Japão, elevando seu total no país a incríveis US$50 milhões (e que devem passar de US$100 milhões até o final de sua corrida no país) e se tornou a maior bilheteria de uma animação na história, ultrapassando Toy Story 3 (US$1,063 bilhão). Frozen já tem US$1,072 bilhão arrecadado.

segunda-feira, 24 de março de 2014

Divergente domina; Muppets não tão Procurados

Na América do Norte: Divergente estreou com ótimos US$55 milhões. O filme inspirado no livro para jovens adultos de sucesso não chegou aos pés de Jogos Vorazes (US$153 milhões- pedir isso de qualquer filme original é um absurdo, aliás) e também fez menos que Crepúsculo (US$70 milhões). Apesar disso, é um sucesso: além de Crepúsculo, Jogos Vorazes e Harry Potter e a Pedra Filosofal, essa é a única adaptação de um livro para jovens adultos a conseguir arrecadar uma quantia suficiente para garantir sequências. Todas as outras falharam de variadas formas: Eragon, Percy Jackson, A Hospedeira, Dezesseis Luas, Eu Sou o Número Quatro e Academia de Vampiros são só alguns exemplos. Sendo essa exceção, o estúdio Lionsgate/Summit com certeza está comemorando: além de Divergente, eles também estão por trás de Crepúsculo e Jogos Vorazes. Se Divergente se segurar como Jogos, sua bilheteria final será de US$148 milhões e é por aí que deverá ficar sua bilheteria final, talvez um pouco menos.
Em 2° lugar, outra estreia: o oitavo filme dos fantoches mais famosos do cinema, Os Muppets: Amados e Procurados não teve uma estreia muito boa, fazendo apenas US$17 milhões, o que é bem menor do que o sétimo filme, Os Muppets, fez em seu primeiro final de semana (US$29 milhões). Caso o filme se segure bem, pode ser que ele faça mais que US$50 milhões, o que seria a 2ª pior quantia para um filme dos Muppets ajustada pela inflação.
Em 3° lugar, As Aventuras de Mr. Peabody & Sherman fez mais US$12 milhões para um total de US$81 milhões até o momento.

No Resto do Mundo: Need For Speed - O Filme fez mais US$29 milhões. Apesar do fracasso na América do Norte, o filme está sendo um sucesso no resto do mundo o que provavelmente está fazendo a Disney respirar aliviada. Em 2°, 300: A Ascensão do Império fez mais US$21 milhões e em 3°, Noé teve uma ótima estreia em poucos países, com US$14 milhões.

terça-feira, 11 de março de 2014

300 conquista o primeiro lugar nas bilheterias!

Boletim Semanal das Bilheterias do Final de Semana de 7 a 9 de Março.
Na América do Norte: 300: A Ascensão do Império conquistou o primeiro lugar com uma quantia ainda maior que o esperado. O filme fez US$45 milhões o que é uma queda de 36% em relação a estreia do filme original, mas é um ótimo valor para uma sequência que demorou tanto tempo para ser feita. Se A Ascensão do Império se segurar tão bem quanto o primeiro filme, ele fará uma bilheteria final de US$134 milhões. Em 2° lugar, As Aventuras de Peabody & Sherman teve uma estreia um tanto fraca com US$32 milhões. Comparando com outras animações da DreamWorks que estrearam em Março, essa quantia é menor que Os Croods e Como Treinar o Seu Dragão (ambos com cerca de US$44 milhões). Entretanto, se Peabody se segurar bem, ele não será considerado um fracasso. Em 3°, Sem Escalas foi atingido pela estreia de 300 menos do que o esperado e fez ainda mais US$16 milhões, para um total de US$53 milhões. E em 4°, o mega hit Uma Aventura LEGO teve sua pior queda diante da estreia de Peabody (48%) e fez mais US$11 milhões, para um total de US$225 milhões.

No Resto do Mundo: 300: A Ascensão do Império fez uma ótima estreia com US$89 milhões. Se o filme se segurar como o primeiro 300 e estrear na China (país na qual o filme ainda não tem uma data marcada) é certeza que ele fará uma bilheteria internacional de pelo menos US$250 milhões. Em 2°, As Aventuras de Peabody & Sherman fez bons US$21 milhões e em 3°, Robocop fez mais US$15 milhões.

domingo, 9 de março de 2014

Crítica: 300: A Ascensão do Império


7 anos depois do primeiro 300 ter um final trágico e definitivo vem uma sequência. 300: A Ascensão do Império (300: Rise of an Empire, 2014) continua a história das guerras Greco-Pérsicas, dessa vez apresentando a Batalha de Salamina, que ocorreu antes, durante e após os eventos do filme original. E, no coração dessa batalha, está a comandante naval persa, Artemísia, o grande destaque dessa sequência.
O filme é bem simples e bobo. Não há muito uma história, mas nem por isso ele não diverte. Ainda que seja um filme que não precisava ter sido feito (300 não pedia uma continuação), é legal vermos batalhas épicas e centenas de litros de sangue computadorizados sendo espirrados na tela (e aí que está a graça de vê-lo em 3D- além da profundidade que deixa algumas cenas bem mais épicas). Mas não se preocupe com a violência: na grande maioria dos casos ela é estilizada e bem irreal mesmo (no mesmo estilo de estilização do primeiro 300).Uma boa direção de Noam Murro merece os créditos por isso. O protagonista do filme, Sullivan Sepleton, cumpre bem seu papel como o General Temístocles. Os personagens coadjuvantes também, como a Rainha Gorgo (Lena Headey) e Xerxes (Rodrigo Santoro), em pequenas aparições.
Mas, o ponto alto desse filme é Eva Green. A atriz interpreta a vilã Artemísia de uma maneira louca, malvada, feroz, e por isso você até torce por ela. As falas da personagem são muito boas (como as de todo o filme, em geral, com uma certa épica), mas o que faz a diferença é mesmo o jeito que Eva dá a sua Artemísia, de modo que se, como erroneamente divulgado em 2011, o título desse filme realmente tivesse sido 300: A Batalha de Artemísia, seria com todo o merecimento. E a vilã ainda protagoniza a cena de sexo mais selvagem de um filme (ao lado de Temístocles).
Ainda que não seja nada mais que um filme simples, 300: A Ascensão do Império diverte com batalhas épicas, montes de violência e sangue estilizados, um bom 3D e a sensacional Artemísia de Eva Green.

terça-feira, 4 de março de 2014

Neeson, Jesus, Frozen, Lego, Pompeia: os destaques das bilheterias

Boletim Semanal das Bilheterias do Fim de Semana de 28 de Fevereiro a 2 de Março.
Na América do Norte: O mais novo filme de Liam Neeson, Sem Escalas, teve uma ótima estreia. O filme fez US$29 milhões em sua estreia. Isso significa que ele terá uma bilheteria final de mais de US$80 milhões, o que é bem maior do que os outros filmes de ação de Neeson fora da franquia Busca Implacável. Em 2° lugar, a estreia Filho de Deus, filme sobre a vida de Jesus, fez US$26 milhões. Não há muitos filmes religiosos sendo lançados ultimamente, portanto fica dificil comparar, mas essa quantia é ótima, principalmente se levarmos em conta que Filho de Deus é composto somente por cenas já transmitidas na TV na série A Bíblia, levada ao ar pelo History Channel. E em 3° lugar, Uma Aventura LEGO fez mais US$21 milhões, elevando seu total para US$209 milhões. Se o filme continuar se segurando bem, há uma chance que ele ultrapasse a incrível quantia de US$300 milhões! Vale notar que nessa próxima sexta estreia As Aventuras de Peabody e Sherman. Entretanto, com o mega sucesso de duas outras aventuras recentemente (Frozen - Uma Aventura Congelante e LEGO), que juntas fizeram mais de US$595 milhões, pode ser que ele seja uma nova decepção para a DreamWorks.

No Resto do Mundo: Em primeiro lugar, Robocop fez US$30 milhões, elevando seu total mundial para US$187 milhões. Em 2°, Uma Aventura LEGO arrecadou mais US$21 milhões para um total mundial de US$330 mi. Em 3°, Pompeia fez mais US$16 milhões, para um total mundial de US$65 milhões. O filme está se mostrando forte fora da América do Norte e, portanto, ele pode fazer uma bilheteria final de US$150 milhões.
E Frozen fez US$7 milhões, ultrapassando a marca do bilhão mundialmente. Daqui a pouco ele deve ultrapassar Toy Story 3 para se tornar a maior bilheteria de animação da história.

segunda-feira, 3 de março de 2014

Frozen derrota O Rei Leão e ultrapassa o US$1 bilhão

Esse foi um excelente domingo para Frozen - Uma Aventura Congelante. O 53° Clássico Disney venceu dois Oscars: o de Melhor Filme de Animação e o de Melhor Música Original (para "Let it Go", interpretada por Idina Mendzel). E, além disso, ultrapassou a marca de US$1 bilhão nas bilheterias. Assim, o filme tomou de O Rei Leão (US$987 milhões), o título de maior bilheteria da Walt Disney Animation Studios.
Na América do Norte, Frozen já faturou US$389 milhões, a 4ª maior quantia para um filme de animação e 19ª no geral. O filme ainda está em cartaz e ainda está no top 10 das maiores bilheterias da semana (mesmo já estando em sua 15ª semana). Portanto, ele ainda deve arrecadar mais uns US$12 milhões antes de sair dos cinemas.
No Resto do Mundo, Frozen já fez US$611 milhões, a 4ª maior quantia para um filme de animação e 25ª no geral. O filme ainda está em cartaz em muitos países e ainda nem estreou no Japão (estreia que só ocorre dia 14). Levando em conta como os japoneses gostam tanto de animações quanto de musicais, é certeza que ele ultrapassará a bilheteria mundial de Toy Story 3 (US$1,063 bilhão) para se tornar a maior bilheteria de animação da história.
Frozen foi o 18° filme a ultrapassar o bilhão e apenas o 4° filme original a fazer isso sem a ajuda de um relançamento (os outros são Titanic, Avatar e Alice no País das Maravilhas). Com toda certeza, Frozen é a bilheteria mais impressionante dos últimos tempos.

sábado, 1 de março de 2014

Crítica: Sem Escalas


Sem Escalas (Non-Stop, 2014) cumpre tudo aquilo que promete. Vendo o trailer, você espera um thriller empolgante e divertido de assistir, que te prende, protagonizado por Liam Neeson com Julianne Moore interpretando uma coadjuvante. E é isso que você ganha assistindo a esse filme.
Na trama, Neeson interpreta um Agente Aéreo chamado Bill Marks, responsável por embarcar disfarçado e garantir a segurança do voo. Entretanto, numa viagem para Londres, Bill recebe mensagens de alguém ameaçando matar um passageiro do avião a cada vinte minutos se US$150 milhões não forem depositados numa certa conta. Agora, a 30 mil pés de altura, cabe ao agente impedir que mortes aconteçam e descobrir quem é o responsável pelas ameaças.
A sinopse do filme é verdadeiramente ótima: afinal, se trata de um mistério num espaço confinado em que o culpado é alguma daquelas pessoas que aparecem na tela. E é difícil você desviar a atenção do filme, que acaba sendo bastante imersivo. Qualquer personagem pode ser o culpado e até a revelação você fica tentando adivinhar quem é. Ponto para a direção de Jaume Collet-Serra
Não é nem preciso falar sobre a atuação de Liam Neeson. Assim como em Busca Implacável 1 e 2 e Desconhecido, ele é o ator certo para esses filmes de ação dando uma enorme profundidade a personagens que, interpretados por outros atores poderiam soar superficiais. Em Sem Escalas isso também acontece, e ainda temos a sempre ótima Julianne Moore num papel coadjuvante.
Por mais que haja momentos inacreditáveis no filme, Sem Escalas é um ótimo entretenimento. Sem megas pretensões, ele consegue o que vários outros filme de grandes pretensões não: divertir e prender o espectador.